A proteção dos direitos de propriedade intelectual e as estratégias das empresas de sementes e biotecnologia: uma comparação dos casos americano e brasileiro

Autor: Silvia Mine Yokoyama

Orientador: Paulo Furquim Azevedo

O tema central de pesquisa deste estudo é avaliar se a adoção de regras de proteção à novas cultivares de plantas e à modificação genética, impactou as estratégias adotadas pelas empresas nos segmentos de semente de soja e milho do Brasil, quando comparadas às dos Estados Unidos. Os resultados dessa dupla comparação demonstram que, no caso do milho híbrido, por contar com uma proteção natural, o estímulo aos investimentos privados ocorreram independentemente da existência de regras formais de apropriação.  Essas regras foram essenciais para favorecer tais investimentos na soja, como se nota na transformação da indústria no Brasil após meados da década de 1990. Além disso, embora a modificação genética tenha ocorrido tanto em eventos com característica agronômicas, as quais promovem como consequência o aumento de produtividade, quanto para a modificação qualitativa do produto, a demanda do produtor agrícola concentrou-se pelo primeiro tipo, cujo retorno é diretamente apropriado pelo agricultor. Verifica-se ainda, que a complexidade do processo de pesquisa e desenvolvimento e a necessidade de investimentos com altas características locacionais justificam o alto nível de consolidação global dos segmentos de sementes com os de biotecnologia e agroquímicos. Nesses segmentos, a possibilidade de apropriação sobre os direitos de inovação, mostra-se fundamental para motivar os investimentos privados.

Para ler o estudo completo, acesse: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/11489

Fonte: Biblioteca Virtual da EESP - Escola de Economia de São Paulo – MPAGRO: Dissertações, Mestrado Profissional em Agronegócios(http://www.eesp.fgv.br/agronegocio)

 

|

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede